//Você conhece os principais tipos de sustentabilidade?

Você conhece os principais tipos de sustentabilidade?

Você sabe o que é sustentabilidade social, econômica, ecológica e cultural? Nas próximas linhas, vamos explicar um pouco mais desses termos, acompanhe a leitura.

Tipos de sustentabilidade

Apesar de termos um conceito resumido sobre o que é sustentabilidade, a verdade é que seu conceito é bem mais amplo, e traz sete dimensões principais:

  • sustentabilidade social: busca a promoção da igualdade social e econômica. Seu objetivo é a melhoria da qualidade de vida e a diminuição das diferenças sociais;
  • sustentabilidade econômica: busca gerir e manter os recursos naturais necessários ao desenvolvimento social e crescimento econômico;
  • sustentabilidade ecológica: busca minimizar os danos ao ecossistema, reduzir resíduos tóxicos, reciclar materiais definir normas para a proteção do meio ambiente;
  • sustentabilidade cultural: promove o respeito às diferentes culturas, bem como aos valores de diferentes povos;
  • sustentabilidade espacial: busca a adoção de práticas, na agricultura, que não agridam a saúde e a natureza, visa o equilíbrio entre os ambientes rural e urbano, bem como o de migrações. É também conhecida como sustentabilidade territorial;
  • sustentabilidade política: busca a descentralização de gestão de recursos, construção de espaços comunitários e defende uma maior autonomia a governos locais;
  • sustentabilidade ambiental: engloba todas as outras dimensões, mas na forma de processos de conservação geográfica, manutenção de ecossistemas, erradicação da pobreza – citando alguns – bem mais complexos.

Ações sustentáveis: modelos e envolvidos

Por mais que não estejamos por dentro de tudo que se tem feito pelo mundo na questão do desenvolvimento sustentável, o fato é que há muitas ações já sendo feitas e praticadas. O Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável, por exemplo, envolve empresas brasileiras nas práticas sustentáveis por meio da articulação junto à sociedade e aos governos.

De algumas cidades do sul do país, onde o cultivo de arroz é predominante e os resíduos, como a casca do arroz, eram um problema, representando um passivo ambiental, se tem um belo exemplo de desenvolvimento sustentável: termelétrica à base de casca de arroz. Ou seja: a eliminação do problema, os resíduos da casca do arroz, promove a geração de energia elétrica para as cidades, além de promover a geração de emprego e renda.

Os estados do Rio Grande do Sul, Bahia, Ceará e Rio Grande do Norte têm os principais parques eólicos do Brasil. Em um levantamento feito em 2014, chegou-se ao número de 167 parques eólicos instalados no país.

Além da energia eólica, outras energias renováveis também começam a ganhar mais espaço, como a energia solar, a energia da biomassa, que utiliza a combustão de materiais orgânicos de determinado ecossistema e a energia geotérmica, que utiliza o calor que vem da própria Terra (de seu interior).

Além desses exemplos, há um grande número de outras ações sendo praticadas em larga e pequena escala. Reflorestamento, reciclagem de materiais como plástico, alumínio e outros, e conter a produção de lixo são outros exemplo de medidas sustentáveis. Sistemas de captação da água da chuva também merecem destaque, pois têm sido implantados em em muitas obras de engenharia nos últimos anos.

Há ainda que se citar o princípio dos 3Rs: reduzir, reutilizar e reciclar. Indo mais além: a dos 5Rs (repensar, recusar, reduzir, reutilizar e reciclar), que podem ser adotadas como um “orientador” nas questões do dia a dia, que envolvem ações simples e estimulam o consumo consciente.

Direcionando para a carreira

Você chegou até aqui e já tem tudo isso de informações, mas ainda há muito o que saber sobre o assunto. Além de tratar de assuntos de interesse de todos, é um mercado em ampla expansão – e você sabe, é um tema que não se esgota e que trará ainda muitos postos de trabalho, discussões e resoluções. 

Considere então que já está mais que na hora de você se especializar na área, e os cursos online surgem como um caminho para isso. Cursos à distância suprem a necessidade de quem não tem uma agenda flexível, que lhe permita frequentar um curso presencial – que acontecem em horários pré-determinados. 

Os cursos à distância, ao contrário dos presenciais, garantem ao aluno a liberdade de conciliar o seu tempo livre e disponível para os estudos.Os cursos online com certificado, por sua vez, somam valor ao seu currículo, considerando a importância de certificação para determinadas áreas e funções.

O Governo Federal e o desenvolvimento sustentável

Seguindo na linha de lhe mostrar um pouco mais sobre desenvolvimento sustentável, veja a seguir, uma das ações tomadas pelo Governo Federal em relação ao assunto.

Unidades de conservação de usos sustentável

O Governo Federal, por meio do Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza, o SNUC, criou, gerencia e protege Unidades de Conservação de Uso Sustentável, cuja criação, implantação e gestão são regidas pela Lei 9.985, de julho de 2000. 

Essas unidades têm como meta conservar e proteger a natureza. O uso sustentável dos recursos naturais deve seguir as normas de conservação, que implicam que, ao fazer a coleta e utilização dos recursos, os recursos ambientais não sejam exauridos e nem os processos ecológicos prejudicados. Dessa forma, as unidades permitem que haja moradores no local.

As Unidades de Conservação de Uso Sustentável são divididas em sete tipos e cada uma delas possui objetivos e características próprias, de acordo com a Lei 9.985:

  • Área de Proteção Ambiental;
  • Área de Relevante Interesse Ecológico;
  • Floresta Nacional;
  • Reserva Extrativista;
  • Reserva de Desenvolvimento Sustentável;
  • Reserva de Fauna;
  • Reserva Particular do Patrimônio Nacional.

O que é a economia verde?

Por “economia verde” o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente – PNUMA, define a economia que traz como resultados a melhoria do bem-estar da humanidade e promove a igualdade social, enquanto reduz, de forma significativa, a escassez ecológica e os riscos ambientais.

É preciso que os investimentos públicos e privados estimulem a geração de trabalho e o aumento da renda para que haja uma “economia verde”. Esses investimentos devem ser voltados à prevenção de perdas de biodiversidade e ao aumento da eficiência energética. Os bens naturais devem ser reconstruídos e vistos como uma fonte de benefícios, em particular à parcela da sociedade cujo sustento depende da natureza, ou seja, a população de baixa renda.

É importante salientar que esse conceito não elimina, nem toma o lugar, do de desenvolvimento sustentável, mas a conclusão à qual se chegou é que o modelo certo de economia – a economia se tornando mais “verde” – é que garantirá a sustentabilidade a médio e longo prazo.

O Governo Federal defendeu, em 2012, durante a realização da Rio+20, que a economia verde deve ser inclusiva e promover a inclusão social, geração de empregos, inovações tecnológicas, conservação dos recursos e a ciência, considerando de forma igual e equilibrada os setores ambiental, social e econômico.

O mercado de trabalho na área de desenvolvimento sustentável

Hora de falar sobre o mercado de trabalho na área de desenvolvimento sustentável. Cursos online nessa área pode dar ao aluno a capacitação necessária para realizar várias funções, uma vez que o mercado é bem amplo e várias áreas absorvem esses profissionais. 

Veja alguns dos segmentos nos quais esses profissionais podem atuar: análise do solo, reciclagem de resíduos sólidos, análise ambiental, assessoria na agroindústria e na agricultura, turismo (tradicional e o ecoturismo), assessoria na prevenção de riscos ambientais, gestão de resíduos sólidos, auditoria e perícia ambiental, entre outros. 

Artigo criado pela equipe do Educamundo, o seu site de cursos online.